Pensar o Talento

Atualizado: 1 de fev.



«Saber pensar

é essencial,

p’ra bem saber jogar...

É também fundamental

p’ra bem saber treinar,

porque o jogo

e o treino

têem sabedoria implicada

e entendê-los como um todo

é necessário neste reino

p’rá competência confirmada...»

Vítor Frade, Curar o Jogar

Pensar o Jogo” (entenda-se o “Jogo” em sentido lato) é minha intenção e preocupação enquanto Treinador. Nesse sentido, irei encarar este espaço “Pensar o Jogo” como uma oportunidade de partilhar algumas das minhas reflexões sobre o fenómeno do Futebol, nomeadamente sobre o jogo, o treino, o treinador, o jogador, …

Este artigo inaugura a minha colaboração com o “Pensar o Jogo”. Portanto, uma vez que o jogo é de quem o joga e porque sem ele não há jogo (de qualidade), decidi escrever sobre um tema que me apaixona – O TALENTO.


“É ele (o jogador) que joga, que dá vida ao jogo, que interage, fazendo emergir um novo jogador e uma nova equipa. Como tal, temos que lhe dar a importância que ele merece, que é toda.”
José Guilherme, 2011

Recentemente, o Mister Luís Castro partilhou uma reflexão que se iniciava da seguinte forma: “É necessário Talento para desenvolver Talento”. Do meu ponto de vista há uma ideia central a reter das palavras do Mister: o treinador tem o dever e a responsabilidade de cuidar, de desenvolver e de potenciar o jogador no seu todo.

No Futebol de Formação, entendendo o Talento enquanto conceito de valor potencial, o processo de desenvolvimento assume uma importância determinante. Sendo que há duas condições primordiais para o sucesso desse processo: a quantidade e a qualidade da prática – só mediante um processo prolongado no tempo, com elevado número de horas de treino e de jogo de qualidade, se pode atingir um nível de desempenho diferenciado e superior, isto é, possibilitar a concretização do Talento Potencial em Talento Real (que, por sua vez, carece de confirmação e validação no contexto). Portanto, naturalmente se compreende a preponderância que o treinador tem no processo, em particular no factor da qualidade.

No Futebol de Alto Rendimento, considerando a necessidade do Talento ser validado continuadamente, torna-se fundamental promover a permanente actualização do desempenho do jogador, para que possa ser capaz de responder consistentemente às exigências desse patamar. Neste sentido, o treinador assume também um papel de elevada relevância de forma a ajudar o jogador a potenciar e a optimizar as suas características e capacidades.

Ora, quer no Futebol de Formação, quer no Futebol de Alto Rendimento, em primeiro lugar o jogador deve procurar estar sempre a evoluir. Depois, o treinador deve ter a capacidade e as competências (a diferentes níveis) para contribuir para esse crescimento. Todavia, o processo de desenvolvimento é complexo e sensível, pelo que exige uma intervenção e gestão cuidadosa por parte do treinador, de forma a não colocar nunca em causa a manifestação e expressão do Talento.

Concluindo e tendo por base essa preocupação, enquanto treinador, procuro ter presentes as seguintes premissas:


- “não mexer” (por exemplo, querer tornar o Corpo do jogador mais simétrico, pode ter implicações negativas na qualidade de rendimento e no seu potencial e até mesmo vir a ser um foco de lesão; na dúvida, não havendo dor, deve respeitar-se a individualidade do jogador e fugir à tendência para “corrigir”);

São raros os treinadores capazes de entender que, por exemplo, para jogar bem, alguns futebolistas necessitam de correr mal. O suposto defeito permite-lhes abrandar ou travar e aprender um tipo diferente de passe ou de remate... O talento é um grande corrector de defeitos ou, se quiserem, ao contrário: o defeito é um grande gerador de talentos.”
Jorge Valdano, 2006

- “menos é mais” (por exemplo, optar por uma lógica de treino excessivo, impedindo o jogador de recuperar e de ter condições de frescura, pode afectar negativamente o rendimento e o potencial, bem como, aumentar da probabilidade de lesão).

E a frescura

que te deu leva-te

p’la frescura segura

às condições p’rá superação

e aí eleva-te

sem contestação...

Aos mais complexos níveis

de organização,

às vezes aparentemente incríveis

pelo virtuosismo da execução...”


Vítor Frade, 2019


Redigido por Bruno Pereira

- Treinador UEFA B

- Licenciado em Ciências do Desporto FCDEF-UC

- Mestre em Desporto para Crianças e Jovens FADEUP


Experiência em diferentes contextos, do Futebol de Formação ao Futebol Profissional, com passagem pelo futebol grego e actualmente a trabalhar no Futebol Feminino; desempenhando funções diversas, nomeadamente, treinador principal, treinador adjunto, analista, treinador individual e coordenador técnico.


Não te esqueças de assinar o nosso newsletter

Obrigado por se inscrever.